Jornal Praça Pública

Fotojornalista suíço mostrou e falou do seu trabalho pelo Mundo

Fotojornalista suíço mostrou e falou do seu trabalho pelo Mundo

A temática da fotografia continua a ser mote indissociável no evento literário “À Palavra com…”, no Museu de Ovar. Para a primeira sessão de mais um ano deste projeto cultural dinamizado pelo escritor Carlos Nuno Granja, que se realizou no sábado (28 janeiro), e num tempo marcado por tanta inquietação no Mundo com o renascimento de populismos do oriente ao ocidente e ameaças de retrocesso à Democracia e às liberdades, o convidado foi o fotojornalista suíço Gilbert Vogt.
Gilbert Vogt, partilhou com os presentes, os seus testemunhos a preto e branco, através de imagens registadas em diferentes continentes, sobre várias realidades sociais, económicas ou culturais, que pela sua própria dureza incomodam consciências.
José Fangueiro, fotógrafo vareiro radicado na Suíça, também participou neste “À Palavra com…”, para colaborar na tradução desta conversa com Gilbert Vogt, que começou por responder ao moderador Carlos Nuno Granja que, “o gosto pela fotografia surgiu naturalmente”.
Uma dupla de fotógrafos residentes em Sião, cuja amizade e relação profissional na arte da fotografia proporcionou esta oportunidade de trazer ao Museu de Ovar o trabalho de um fotojornalista com reportagens publicadas em vários órgãos de comunicação e trabalhos para Organizações Não Governamentais (ONG’s).
Em terra de folia, com as prioridades focadas na preparação da grande festa da cidade de Ovar, o “À Palavra com Gilbert Vogt”, não “mascarou” cenários cíclicos que dilaceram regiões e povos no Mundo como fizeram refletir e promover animado debate.
O conjunto de foto-reportagens deste suíço nascido a 18 de outubro de 1960, desde finais dos anos noventa mostra o que viu com seu olhar, os dramas da Sida e da tragédia resultante da falta de nutrição em países de África como Uganda. Viagens pelo Mundo em que fotografou filhas de prostitutas na Ásia, captando rostos reprimidos num desumano ambiente de exploração sexual ou registos da América Latina no Equador ou Colômbia.

Leia o artigo completo na nossa edição impressa, que já se encontra nas bancas.

Artigos Relacionados