Jornal Praça Pública

Grandes nomes do atletismo nacional unem-se para ajudar Arlindo Fião

DR

Grandes nomes do atletismo nacional unem-se para ajudar Arlindo Fião

Encontra-se a decorrer, uma grande campanha de solidariedade, da qual fazem parte grandes nomes do atletismo nacional, para ajudar Arlindo Fião, um vareiro, com uma vida bastante ligada ao atletismo, a quem, no início do ano, foi diagnosticado, um tumor cerebral.
Em conversa com o PRAÇA PÚBLICA, Arlindo Fião afirma que lhe foi diagnosticado este problema de saúde, “em março deste ano”, precisamente na altura em que Arlindo Fião foi convidado a organizar, a par de Alberto Valente, do Clube de Atletismo de Ovar, a 1ª Corrida Solidária de Ovar. “Eu frisei que estava ‘cansado, numa fase negativa’”, mas “disse-lhe para contar comigo”, destacando que tinha de “ajudar, fosse de que maneira fosse”.
Arlindo Fião nunca abandonou a organização e preparação da Corrida Solidária de Ovar, diz ter-se mantido “forte, até ao fim”, e agora lembra ser ele quem precisa de ajuda. “Ajudei os outros, e agora sou eu que tenho necessidade”, remata.
No último mês e meio, Arlindo Fião diz que “as coisas pioraram”, o que o obrigou a recorrer “ao privado”, uma vês que “o Serviço Nacional de Saúde (SNS), não consegue dar resposta a todos os casos”. “Fui ao médico privado, aconselharam-me a ir a um especialista, do melhor que há, em Portugal, e ele disse-me ‘é assim, há uma solução para o seu caso. O seu caso, pode ser tratado, através de uma radiocirurgia’”, tendo-o encaminhado para um especialista do Porto.
Arlindo Fião marcou consulta, nesse especialista, e afirma que, nesse dia, “tinha, para aí, umas 20 perguntas para lhe fazer, e quando ele me falou no valor do tratamento, à terceira, ou à quarta pergunta, as minhas esperanças morreram logo ali”. A operação custa entre 12 a 20 mil euros, e não é comparticipada pelo SNS, sendo que Arlindo Fião, tem uma filha de 14 anos, está à 18 meses sem trabalhar e a receber 65% da baixa médica, e a sua mulher esteve desempregada, durante 22 meses.
Arlindo Fião afirma que sempre recusou “ser ajudado”, porém, “a ideia (da campanha solidária) surgiu de uns amigos do atletismo, que me quiseram ajudar e queriam pôr ‘o fim ao meu sofrimento’”.
Arlindo afirma que há outra forma de resolver o seu problema de saúde, porém, “cirurgicamente, abrir e ir lá dentro ao canal auditivo, é perigoso, porque corro o risco de paralisia facial e perda da audição total, e isso é irreversível”.
No mesmo dia em que Arlindo foi ao Porto, à consulta do especialista, acabou por contar a um amigo que a melhor solução, para o tumor, era realizar uma radiocirurgia, bastante cara e não comparticipada pelo SNS, que vai “matar as células do tumor, e tentar mirrar”, isto é, impedir o seu crescimento.
Ainda nesse dia, lembra Arlindo Fião, “eram para aí, sei lá, oito, nove da noite”, o mesmo amigo (Nélson Pais) estava a “a tocar à minha porta, e ele disse ‘olha, fica tranquilo, que já desenvolvi uns contactos com uns amigos’, que são nossos amigos em comum, nomes grandes do atletismo (Dulce Félix, Ricardo Ribas, Sara Moreira) ‘e já arranjámos uma forma de a gente arranjar dinheiro, para te ajudar na cirurgia’”, ideia que, ao início, Arlindo Fião recusou, alegando não ser diferente dos outros, que há pessoas com mais necessidade neste momento.
Os esforços de Nélson Pais traduziram-se na concretização de uma página nas redes sociais que explodiu na receção de membros e que está a dar uma grande visibilidade internacional a esta causa/movimento solidário, e na criação de uma conta bancária onde já estão a ser entregues donativos.
Arlindo Fião é “uma pessoa muito conhecida no atletismo nacional”, por quem “as pessoas têm um enorme carinho e respeito”, por este motivo, “é que eles (atletas) me estão a querer retribuir, agora, aquilo que eu fiz por eles”.
De realçar que várias têm sido as entidades locais, nacionais e internacionais, que já se juntaram a causa, como é o caso do Chelsea, da Seleção Nacional, do Benfica, do Porto e das equipas vareiras, doando camisolas e equipamentos, autografados, para um leilão que se encontra a realizar no grupo “Atletismo Solidário Leilão”, até ao próximo dia 29 de novembro.

Leia o artigo completo, na nossa edição impressa, que já se encontra nas bancas.

Artigos Relacionados