Jornal Praça Pública

Movimento Cívico de Cidadãos diz que o Hospital de Ovar pode vir a ter um serviço especial de urgências

Manuel Correia

Movimento Cívico de Cidadãos diz que o Hospital de Ovar pode vir a ter um serviço especial de urgências

O Movimento Cívico de Cidadãos em Prol dos Serviços de Saúde do Concelho de Ovar (MCCPSSCO) anunciou, em comunicado, que o Governo se encontra a pensar na hipótese de abrir, no Hospital de Ovar, um serviço especial de 24h, para atender casos urgentes.
O MCCPSSCO afirma que o grupo de trabalho criado pela Secretaria de Estado da Saúde, com o objetivo de analisar a prestação dos cuidados de saúde, no distrito de Aveiro, considera que o Hospital de Ovar poderá “incluir um atendimento que, não se podendo chamar de ‘serviço de urgência’ permitirá a prestação de um serviço de saúde alargado (24 horas) para casos urgentes, no Hospital Dr. Francisco Zagalo, com uma primeira triagem nos casos que tenham de ser reencaminhados”.
O MCCPSSCO considera que o Ministério da Saúde reconhece que o Hospital de Ovar precisa de obras de reabilitação e de modernização, porém, “a obra do bloco operatório só não está executada ou em concurso porque não foi incluída no mapeamento da Comunidade Intermunicipal da Ria de Aveiro, mas que o Ministério da Saúde está a trabalhar de forma que ela seja uma realidade no próximo ano”.
O MCCPSSCO diz ter a garantia que “na hipótese de não vir a ser implementado o novo projeto ou dele se tornar inviável, qualquer ligação a um centro hospitalar nunca será com o do Baixo-Vouga (Aveiro), mas sim com as unidades da Feira e Gaia”. Por este motivo, o MCCPSSCO insiste que “é imperioso que aquelas obras sejam realizadas com brevidade, tendo em conta que elas são necessárias e urgentes, independentemente do modelo de gestão que vier a ser adotado para o hospital”. Este movimento considera, também, ser “imperioso o aumento significativo da oferta em novas Especialidades Médicas, de forma a dar resposta às reais necessidades da população do concelho”
O MCCPSSCO afirma, ainda, querer “acreditar que o projeto que está a ser objeto executado pelo Grupo de Trabalho criado pela Secretária de Estado da Saúde, pelo que foi possível verificar quando foi tornado público, além de inovador poderá proporcionar um melhor serviço de saúde às populações do concelho de Ovar e de parte dos concelhos vizinhos, como será o caso de Estarreja e Murtosa”.

Leia o artigo completo, na nossa edição impressa, que já se encontra nas bancas.

Artigos Relacionados