Jornal Praça Pública

NOVO invade centro da cidade de Ovar, para uma Mostra da Nova Música Portuguesa

Manuel Correia

NOVO invade centro da cidade de Ovar, para uma Mostra da Nova Música Portuguesa

Teve lugar, em vários estabelecimentos do centro da cidade de Ovar, entre os dias 2 e 7 de outubro, a terceira edição do NOVO – Mostra da Nova Música Portuguesa.
Assim, durante seis dias, vários espaços, do centro da cidade de Ovar, receberam concertos de nomes como Laudo, Billy Lobster, Lavoisier, Valter Lobo, Mr Gallini, Germano, ou Baleia, Baleia, Baleia.
Do cartaz do evento, destacam-se, ainda, várias conferências, sessões de cinema documental, onde foi exibida o documentário, composto por quatro episódios, “Fios bem ligados”, de Eduardo Morais, e visitas guiadas ao Centro Histórico de Ovar, mais propriamente, à “Rua do Azulejo”.
No final do último dia do NOVO, o PRAÇA PÚBLICA, esteve à conversa com Gil Godinho, responsável pela organização deste festival, que afirmou que “o NOVO é uma mostra de música, que neste caso é a nova música portuguesa, e tem como pressuposto, exatamente aquilo que o nome indica: mostrar, aquilo que é de novo na nova música portuguesa”.
Quanto à origem do NOVO, Gil diz que este “nasce a reboque daquilo que é a programação, ou os programas de autor da Antena Vareira, da rádio AVFM” sendo que “daí, até aquilo que é a programação regular da Casa do Povo”, passando pela “construção do evento, são dois passos”.
“Há as condições, há o conhecimento dos artistas, portanto, todas as condições estavam reunidas, para que este evento nascesse”, acrescenta o responsável.
Quanto às novidades que a terceira edição do NOVO trouxe, Gil Godinho considera que “a deslocalização dos concertos, é, provavelmente, a maior novidade desta terceira edição”, sendo que “advém de uma vontade de levar a música a outros espaços, e, de alguma forma, abraçar a cidade”, funcionando como “um mote” para “descobrir o nosso território”, sendo que “daí, também, há esta novidade de ter havido as visitas guiadas, ao património azulejar (de Ovar), e daí criámos esta dinâmica” entre a música e a cidade e o nosso património e darmos a conhecer, pela força da música, aquilo que é a cidade de Ovar”.

Leia o artigo completo, na nossa edição impressa, que já se encontra nas bancas.

Artigos Relacionados