Jornal Praça Pública

Troupes de Reis cumpriram a tradição

Tiago Carriola

Troupes de Reis cumpriram a tradição

Mais um ano começou, e as Troupes de Reis voltam a sair à rua, para espalhar o nascimento de Jesus, pelo concelho de Ovar. Foi exatamente isso que aconteceu, no passado dia 6 de janeiro, no Centro de Arte de Ovar (CAO).
Com as presenças de Pedro Braga da Cruz, presidente da Assembleia do Município de Ovar, Salvador Malheiro, presidente da Câmara Municipal de Ovar, Domingos Silva, vice-presidente da autarquia, Alexandre Rosas, vereador da Cultura, e Ana Cunha, vereadora com o pelouro da Educação, o “Cantar os Reis 2017” arrancou às 20h00 e contou com a atuação de todas as Troupes de Reis adultas, marcando o regresso deste evento ao Centro de Arte de Ovar.
Numa noite fria, onde se viveu a magia desta tradição com mais de 100 anos.
Durante o espetáculo, Salvador Malheiro defendeu que o Encontro de Troupes de Reis é  “um espetáculo de grande qualidade, digno de poder ser passado em qualquer palco do Mundo, mas pertence a Ovar”. Quanto à candidatura do Cantar os Reis, o edil disse que “graças a estes reiseiros, todos nós conseguimos apresentar a tal candidatura, a Património Cultural Imaterial Nacional”. O autarca disse ainda que a candidatura do Cantar os Reis “já foi apresentada no final do ano de 2016”, sendo que o resultado será conhecido dentro de meio ano, razão pela qual Salvador Malheiro afirma estar convencido de que “vamos ter resultado positivo”.

Cantar os Reis, uma tradição secular

A tradição das Troupes de Reis remonta aos finais do século XIX, sendo que inicialmente tinha muitas semelhanças com as janeiras, mas com o passar dos anos, o Cantar os Reis, no concelho de Ovar, foi ganhando caraterísticas próprias e originais.
Em 1983, surge a primeira Troupe de Reis vareira, pela mão de João Alves Cerqueira, que na altura era um conceituado vendedor da praça vareira. Essa Troupe chamava-se Troupe Reis dos Alves, mas também era conhecida como Troupe dos Velhos.
Atualmente, as Troupes vareiras primam pela qualidade interpretativa e melodiosa, sendo que as suas músicas incluem instrumentos como o violão, o bandolim, a bandola e o violino, e são tocadas em jeito de balada, podendo ser músicas inéditas ou adaptadas.

Leia o artigo completo na nossa edição impressa, que já se encontra nas bancas.

Artigos Relacionados